top of page
  • ASTRID SCHMIED

FAQ - "Oh Astrid, tu podes ajudar com...?"

Hoje, quero responder a uma das principais perguntas que me fazem o tempo todo, feita por muitas pessoas. "Astrid, tu podes ajudar com..." Minha resposta geralmente é: sempre há algo que posso fazer para ajudar. Por quê?

Porque eu não trato sintomas - eu trato uma pessoa.

A medicina osteopática, embora falsamente considerada apenas uma versão mais suave da quiropraxia, é na verdade uma maneira de observar, examinar e tratar uma

pessoa (ou até mesmo um animal) de maneira que o objetivo final seja detectar a razão dos sintomas da pessoa, seja uma disfunção ou doença em qualquer um dos sistemas do corpo.

Isso significa que estou afirmando que posso "curar" qualquer doença? Absolutamente não!

Mas o que posso fazer é realizar um trabalho minucioso, coletar um histórico abrangente do caso e tentar entender todos os aspectos do estado físico e emocional do paciente, levando em consideração lesões antigas e traumas, cirurgias, doenças, medicações e aspectos do estilo de vida - excluindo também sinais de alerta e riscos.

Em seguida, colocando essas informações de lado, seguindo com um exame clínico ativo e passivo minucioso, testando tecidos quanto à mobilidade e circulando de áreas de interesse de tratamento de forma global para local. Combinando informações verbais e de exame, usarei um conhecimento médico abrangente adquirido ao longo de muitos anos de treinamento para elaborar uma estratégia de tratamento, sempre garantindo uma avaliação equilibrada de riscos e benefícios dos tratamentos.

Portanto, geralmente sempre há algo que posso fazer - mesmo que seja apenas realizar um exame adequado e descobrir que preciso encaminhar para um especialista diferente para exames mais aprofundados.

Como profissional de saúde de primeiro contato, posso atender pacientes sem qualquer encaminhamento e, portanto, devo estar preparado para qualquer cenário, o que torna ainda mais importante ter um bom conhecimento de diagnóstico diferencial para excluir ou diagnosticar condições físicas graves.

Nos últimos 3 meses, por exemplo, diagnostiquei fraturas em 4 clientes que não haviam sido diagnosticados no hospital e depois vieram me procurar porque os sintomas não melhoraram.

O conhecimento profundo de exames clínicos (e muitos anos de experiência) é fundamental aqui, e, é claro, esses pacientes foram encaminhados para exames adicionais para confirmar minha suspeita que surgiu de sua apresentação clínica.

Especialmente a dor crônica é uma das razões mais comuns para as pessoas me procurarem. Embora eu normalmente vejo pessoas não mais do que 3-4 sessões para ajudá-las a voltar à sua vida normal, dores crônicas que persistem e se tornam um hábito são às vezes muito difíceis de eliminar. No entanto, sempre vale a pena tentar, e caso eu sinta que um profissional diferente seria mais indicado para obter sucesso mais rápido, serei o primeiro a encaminhar, pois trabalho de forma interdisciplinar com colegas de diversas formações médicas.

Então, resumindo, eu trato a pessoa inteira, não as tuas sintomas ou doença. E sempre há algo que posso fazer para tí.







14 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page